quarta-feira, 29 de agosto de 2012

Novo Projeto: Tirinhas

Depois de muito tempo parado, estou com um projeto novo: o Sou Crente Sim. O "Sou Crente Sim" é um blog de tirinhas com temática cristã.

Um dos principais fatores que contribuíram para que este blog desacelerasse até parar completamente era a quantidade de tempo que ele me tomava. Acredito ter gerado conteúdo de qualidade, mas na era do Twitter e do Facebook, quase ninguém para para ler mais de 3 linhas. 

A nova proposta vem mais praticável, liberando tirinhas a cada 2 dias, me consumindo (bem) menos tempo do que os textos outrora elaborados por mim aqui, conseguindo atingir o grande público e, confesso, sendo mais parecido comigo.

Dêem uma olhadina lá: soucrentesim.blogspot.com.br 

Curtam nossa página no Facebook: facebook.com/soucrentesim.

Vejo vocês por lá.

quinta-feira, 9 de junho de 2011

Respondendo ao chamado

Porque o que é chamado pelo Senhor, sendo servo, é liberto do Senhor; e da mesma maneira também o que é chamado sendo livre, servo é de Cristo.
1Co 7:22


Todos nós cristãos respondemos ao chamado de Cristo quando entregamos nossas vidas a Ele no dia que nos convertemos. Mas o chamado à nova vida com Cristo não é o único que recebemos. Deus nos chama a trabalhar na Sua obra.

Mas trabalhar na obra de Deus nem sempre implica que exerceremos aquilo pra o qual somos capacitados a fazer, ou seja, ainda que você tenha o dom de ensinar e o exerça para suas atividades seculares, não significa que este será o seu chamado para a Obra.

Prova disso é que Deus chamou a Moisés, Isaías e Paulo, entre outros, que não se julgavam capazes, ou se julgavam indignos ou até mesmo eram contra os princípios cristãos. Mas para todos eles (e todos nós) o chamado veio acompanhado de uma capacitação, uma transformação sobrenatural para que eles pudessem (e nós possamos) exercer o ministério para que foram chamados.

E você? Como tem respondido ao chamado de Deus?

1)Samuel: Reconhecendo a voz de Deus
O SENHOR, pois, tornou a chamar a Samuel terceira vez, e ele se levantou, e foi a Eli, e disse: Eis-me aqui, porque tu me chamaste. Então entendeu Eli que o SENHOR chamava o jovem.
Por isso Eli disse a Samuel: Vai deitar-te e há de ser que, se te chamar, dirás: Fala, SENHOR, porque o teu servo ouve. Então Samuel foi e se deitou no seu lugar.
Então veio o SENHOR, e pôs-se ali, e chamou como das outras vezes: Samuel, Samuel. E disse Samuel: Fala, porque o teu servo ouve.
1Sm 3:8-10
Quando Deus nos chama, Ele insiste até que respondamos, por isso é importante termos os ouvidos atentos à voz de Deus e àqueles que nos trazem conselhos de Deus. 
Samuel, por si mesmo, não respondeu ao chamado do Senhor inicialmente porque era inexperiente e contava com a luz de Eli para que crescesse para o ministério que fora chamado.
Deus falou com Samuel através de Eli, lhe passando a informação de que era Ele quem estava chamando, e depois lhe falou diretamente, iniciando seu ministério como Profeta de Israel.
E você? tem ouvido a voz de Deus te chamar? Não tem certeza? O chamado de Deus é algo muito sério e, se estivermos incapazes de reconhecer a Sua voz a nos chamar, devemos estar em comunhão com quem tem maturidade o suficiente para que nos aconselhe como devemos responder ao chamado do Senhor.
2) Isaías: Sendo capacitados para o chamado
Então disse eu: Ai de mim! Pois estou perdido; porque sou um homem de lábios impuros, e habito no meio de um povo de impuros lábios; os meus olhos viram o Rei, o SENHOR dos Exércitos.
Porém um dos serafins voou para mim, trazendo na sua mão uma brasa viva, que tirara do altar com uma tenaz;
E com a brasa tocou a minha boca, e disse: Eis que isto tocou os teus lábios; e a tua iniqüidade foi tirada, e expiado o teu pecado.
Depois disto ouvi a voz do Senhor, que dizia: A quem enviarei, e quem há de ir por nós? Então disse eu: Eis-me aqui, envia-me a mim.
Is 6:5-8
Quando Isaías se deparou com a visão do trono de Deus, ele já sabia que, se saísse vivo dali, sairia mudado e, principalmente, Isaías sabia da sua condição de pecador e que, estando assim, não era digno de viver o momento que vivia.
Estando ciente da sua posição de indignidade, Isaías foi limpo do seu pecado e respondeu com prontidão ao chamado de Deus.
Será que estamos nos escondendo atrás de nossas incapacidades, da nossa condição de pecador e miserável para não responder ao chamado do Senhor? Nossos pecados são limpos das nossas vidas pelo Sangue de Jesus. Só ficamos indignos se não procuramos viver em Santidade de acordo com a luz que temos, mas se nos deixamos trabalhar pelo Senhor, ainda que os nossos pecados sejam vermelhos como o carmezim, se tornam brancos como a lã e nos deixam prontos para prontamente respondermos ao chamado do Senhor.
3)Quando Deus chama é a hora
E disse a outro: Segue-me. Mas ele respondeu: Senhor, deixa que primeiro eu vá a enterrar meu pai.
Mas Jesus lhe observou: Deixa aos mortos o enterrar os seus mortos; porém tu vai e anuncia o reino de Deus.
Disse também outro: Senhor, eu te seguirei, mas deixa-me despedir primeiro dos que estão em minha casa.
E Jesus lhe disse: Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus.
Lc. 9:59-62
O momento que Deus no chama é a hora certa para estarmos prontos para responder. Deus não nos chama esperando ouvir: "Mas Deus, deixa eu me formar primeiro, assim eu tenho mais tempo..."  ou "Assim que eu conseguir aquele emprego que estou pedindo para Ti poderei mais do que trabalhar na Obra, terei mais recursos para colocar a Sua disposição.".
Não importa o quão justos sejam os nosso motivos para que não respondamos o chamado de Deus, se hesitamos estamos nos colocando incapazes de responder ao chamado para o qual fomos designados.
O chamado de Deus não é brincadeira. Responder a este chamado quando não achamos que é a hora é colocar em primeiro lugar o Reino de Deus e abrir as portas para que todas as outras coisas nos sejam acrescentadas.
Em toda a Bíblia Deus chama homens e mulheres, desde crianças até em idade avançada, e eu poderia citar diversos outros exemplos aqui como Paulo, Gideão, Davi, Salomão, entre tantos outros. Mas o mais evidente nas respostas de todos os chamados que Ele faz é que, aqueles que responderam ao chamado, responderam com prontidão, foram capacitados de forma sobrenatural e colocaram a Deus em primeiro lugar nas suas vidas.
E você, como tem respondido ao chamado de Deus?

sexta-feira, 18 de fevereiro de 2011

O que você quer de Deus?

"Ele guardará os pés dos seus santos, mas os ímpios serão silenciados nas trevas, pois não é pela força que o homem prevalece. "
1Sm 2:9

Vamos meditar um pouco na história de Ana, a mãe de Samuel, e ver como a ação de Deus em sua vida pode nos trazer lições para hoje.

Primeiro, alguns fatos:
1) Ana era estéril (v.2 e 5)
2) Ana era mais amada por seu marido (v. 4 e 5)
3) Ana era provocada constantemente por sua rival, pelo fato de ser estéril (v.6 e 7)
4) Seu marido tentava lhe consolar, demonstrando seu amor apesar de sua deficiência (v.8)
5) O amor de seu marido não era suficiente para aplacar sua necessidade de ser mãe, ao ponto de ficar deprimida (v.10)

Até este ponto, poderíamos imaginar Ana como uma mulher ingrata, que tinha quase tudo na vida, porém se prendia a algo que não tinha.

Não temos muito mais detalhes sobre ela para poder afirmar alguma coisa, mas quem conhece o restante da história sabe que dificilmente Ana seria uma pessoa mesquinha ao ponto de ignorar todas as bênçãos que tinha e se prender às tribulações e dificuldades que a vida traz.

O que isso diz para nós? Acredito que seja importante para nós refletirmos sobre isso nas nossas vidas no sentido que, às vezes temos muitas coisas que queremos, mas falta algo grandioso para nós.

Eu vivo um pouco disso, e sei que desejar algo a mais quando já se tem muita coisa parece ser estúpido, mas não há nada que consuma mais nossa felicidade do que estar numa situação assim. Frequentemente o desejo de abrir mão de tudo para viver e ter aquela bênção tão desejada bate à porta e, se realmente essa troca pudesse ser feita, a faríamos.

Vamos continuar analisando a situação de Ana:
6) Ana conhecia uma única saída pela qual conseguiria superar sua esterilidade: seu Deus. Sem se importar como seria vista aos olhos das outras pessoas, dedicou-se a clamar insistentemente para que Ele intervisse em seu favor, fazendo o voto de que o filho do seu ventre seria consagrado ao Senhor e serviria todos os dias da sua vida na Sua casa. (v. 10 à 13)
7) Seu clamor foi tão marcante ao ponto de chamar a atenção do profeta de Deus (v.14)
8) Diante do sacerdote expôs sua fragilidade, guardando no seu coração, contudo os detalhes do motivo que a deixara assim. (v.15 e 16)
9) O sacerdote, acredito mais que para se ver livre daquela mulher, a abençoou (v.17)
10) Ana tomou posse da bênção, apartou de si a depressão, louvou a Deus e nEle acreditou, segundo as palavras do sacerdote (v.18 e 19)

Aqui o quadro se torna diferente, Ana chega ao ponto de se sentir tão incomodada pela sua deficiência e pelas provicações da sua rival que decide que sua situação só pode ser resolvida junto ao sobrenatural.

Ela se coloca disposta a ignorar as regras e convenções da sua época para se fazer ouvida por Deus e, desta forma, receber a bênção que tanto desejava. E Ana vai mais além: Depois de receber a bênção que tanto desejava, a entregaria nas mãos de Deus, como prova de que aquilo que queria não era maior do que Deus em sua vida.

Para nós vale a mesma regra: o quanto estamos dispostos a sacrificar para receber aquilo que queremos? Será que o que queremos vai tomar o lugar de Deus em nossas vidas? Será que, depois de recebermos aquilo que pedimos estaríamos dispostos a entregar o que recebemos a Deus?

Cabe a nós avaliarmos não apenas a maneira e a intensidade do que pedimos, mas o que pedimos também. Tiago nos adverte: "Quando pedem, não recebem, pois pedem por motivos errados, para gastar em seus prazeres." (Tg 4:3) . De que forma o que queremos contribuirá diretamente ou indiretamente para que o Reino de Deus seja exaltado? É importante sabermos esta resposta pois ela nos dirá muito sobre as razões pelas quais Deus deixa de nos dar determinadas coisas.

Devemos avaliar também o quanto nosso desejo nos impede de buscarmos a Deus. O texto lido fala que todas as vezes que Ana subia para adorar a Deus era ultrajada pela sua rival, mas nem por isso Ana deixou de ir à presença de Deus diante dessas afrontas, pois ela sabia que o seu Deus era maior do que as ofensas da sua rival.

Diante disso, devemos sempre avaliar nossos desejos diante do que Deus já fez por nós, daquilo que o que queremos pode contribuir para o Reino e o quanto estamos dispostos a pagar para recebermos o que queremos.

Se o que queremos não tira o brilho das vitórias alcançadas, se contribui direta ou indiretamente para que o Reino de Deus se estabeleça, se não fere a nossa fé e se estamos dispostos a ignorar o que os outros pensam de nós para que Deus saiba que realmente queremos a bênção dEle, então devemos seguir em frente e nos embebedarmos em lágrimas de ardor pela presença dAquele que tudo pode fazer em nosso favor.

Se fizermos votos, como Ana fez, devemos nos apressar em cumpri-los, não podemos deixar de maneira nenhuma que a alegria pela bênção recebida se torne razão maior de vivermo, mas devemos crer que o Deus que abriu os céus para que recebêssemos algo impossível para nós, pode nos dar muito mais.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Algemas do Pecado


"Mas esses homens agem por instinto, como os animais selvagens, que nascem para serem caçados e mortos. Eles xingam aquilo que não entendem. Por tudo isso eles serão destruídos como animais selvagens. (...)
Prometem liberdade a essas pessoas, mas eles mesmos são escravos de hábitos imorais. Pois cada pessoa é escrava daquilo que a domina."
2Pe 2:12 e 19 (NTLH)

Durante o tempo do meu "recesso" do blog, pude refletir um pouco sobre muitas coisas, dentre elas, o efeito que o pecado exerce sobre a nossa vida.

Os textos acima são uma referência de Pedro aos falsos profetas - pessoas que conhecem a verdade e que, não apenas negam a verdade, mas a manipulam para conseguir trazer seguidores para si dos seus pensamentos enganadores.

Eles evidenciam um conceito interessante sobre o efeito do pecado sobre as nossas vidas: O pecado nos torna mais irracionais, escravos dos nossos desejos. 

Se não agirmos com rigor para nos afastarmos do pecado, aos poucos ele vai tomando espaço em nossas vidas e nos levando para uma armadilha que cada vez nos embaraça mais, nos afastando de Deus, enganados.

Quando não tomamos as medidas no seu devido tempo, nos sentimos frustrados por não conseguirmos nos manter firmes contra o pecado, depois começamos a aceitar o fato de que somos fracos e que, se não estivéssemos em uma situação tão ruim, até poderíamos vencê-lo, mas, passando por tantas tribulações, somos presas fáceis das nossas próprias concupiscências. Em seguida, começamos a procurar justificativas para nossos erros, distorcendo, escondendo e rejeitando a verdade para que nossas ações possam ser aceitas pelo menos aos nossos olhos.

Desde os primeiros sintomas da armadilha da escravidão do pecado, decisões erradas nos levam a um caminho que nos distancia mais de Deus. O caminho de Deus para que o pecado não faça parte das nossas vidas é confessar e prosseguir (1 Jo 1:9). Nosso corpo por si só é realmente frágil e ineficaz para combater o pecado, mas, somos fortalecidos pelo poder de Deus (Cl 1:11). Toda situação que vivemos não nos coloca num patamar diferente para encararmos as tentações porque não existe tentação que não podemos suportar, nem tentação que não tenha livramento (1Co 10:13). Cada vez que procuramos esconder nossos pecados atrás de "justificativas" só adicionamos mais pecado às nossas vidas, nos tornando mentirosos (1Jo 1:8).

Portanto, devemos sempre estar atentos pois, quanto mais nos afundamos na armadilha do pecado, mais difícil é para sairmos. O pecado traz consigo a culpa que, por sua vez, nos instiga a lutarmos com nossas próprias forças para lutar contra o inimigo que é mais forte do que nós, se lutamos sozinhos.

Só conseguiremos vencer o pecado se confessarmos que erramos e que precisamos do perdão obtido pelo sangue derramado de Jesus para que sejamos salvos. Entendendo isso compreenderemos o que realmente significa Salvação e do que precisamos ser salvos.

Lidar com o pecado não é algo que podemos "deixar prá depois" ou "deixa juntar um tanto, depois a gente resolve tudo". Quando agimos dessa forma estamos abrindo a porta para que o pecado entre em nossas vidas e nos afaste de Deus, nos tornando mais suscetíveis aos nossos desejos, nossos "instintos", nossa natureza, que nos levam a pecar.

O mais certo é que, quanto mais pecamos, mais nos sentimos "livres", porém mais escravos ficamos de nós mesmos, da busca pelo preenchimento do nosso vazio com prazeres que não conseguem satisfazer-nos completamente. 

Somente após sermos livres das correntes do pecado, que nos amarram aos nossos desejos insaciáveis conseguiremos desfrutar da verdadeira liberdade, que somente Jesus pode nos dar pela libertação através do Seu Sangue Redentor.

quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

Momento de Avaliação, parte 2

"esquecendo-me das coisas que ficaram para trás e avançando para as que estão adiante,

prossigo para o alvo, a fim de ganhar o prêmio do chamado celestial de Deus em Cristo Jesus."

Fp 3:12b e 13

Continuando a idéia do post anterior, eu mesmo não teria uma boa avaliação de 2010 para mim, principalmente nessa reta final.


Longe de mim não estar grato por este ano, pelo contrário, este ano com certeza foi o ano da misericórida de Deus sobre a minha vida. Foi o ano no qual tentei eu mesmo dar um jeito em muitas coisas que eu sabia que precisava acertar na minha vida.


Foi o ano que descobri que eu não sou capaz de fazer isso sozinho também. Descobri que até para sair das encrencas nas quais eu mesmo me meti e sou o único responsável, preciso da ajuda de Deus.


Infelizmente, até descobrir e aceitar esse fato, rolaram muitas lágrimas, houve muito desgaste no meu corpo, nos meus relacionamentos, nas minhas emoções. O "Filho Pródigo" se viu comendo a comida dos porcos até cair em si e descobrir que o servo mais humilde do Pai tem um alimento decente para si e sua família.


Felizmente não foi tarde demais. Felizmente o Pai me esperava de braços abertos, parecia não se lembrar das circunstâncias nas quais me afastei, apesar de todas as marcas que meu corpo trazia.


Graças a Ele posso olhar para frente, esquecer do que se passou, ignorar as marcas do passado que tentam me prender a um sentimento falso de culpa que já foi lançado sobre Seu Filho, pago integralmente com todos os juros pelo Seu puro Sangue Redentor.


É com esse sentimento que quero romper a alva do novo ano: renovado, perdoado, limpo. É assim que Ele me vê e é assim que eu preciso me ver se quero ter alguma chance de fazer do ano novo um Novo Ano.


Não quero esquecer este ano, quero superá-lo, quero aprender com meus erros, quero superar a mim mesmo, quero ter a certeza de que posso fazer melhor, não fazendo tudo sozinho, mesmo que me sinta totalmente responsável.


Poder ter este sentimento é me sentir vivo novamente, com a vida que Ele tem para mim. É ter a certeza de que ainda que as marcas do meu passado possam continuar me doendo por dentro, elas não são levadas em consideração e, mais ainda, são tratadas por Ele para que sejam curadas e superadas, para que eu possa começar uma nova etapa da minha vida sem precisar esperar a meia-noite do dia 31.


Quero esquecer a dor que me lembra de um passado escuro e desesperador, quero prosseguir para um futuro certo, mesmo que as incertezas insistam em pairar na minha mente. Quero depender mais da minha fé do que da minha razão. 


Não quero apenas crer em milagres, quero vivê-los, quero contá-los, quero depender deles e dedicar todos os recursos que disponho para que o Reino de Deus possa ser evidente em minhs vida.


Que venha 2011, mas eu não vou esperá-lo para deixar Deus mudar minha vida e apagar o meu passado com um futuro brilhante que só Ele pode me dar. Louvado seja o Seu nome por tudo que Ele fez e tem feito por mim, por Sua infinita paciência e amor.


Obrigado, Deus, por este ano que se passou, por não esperar ele acabar para continuar revelando Seu amor a mim, por estar sempre comigo, mesmo quando quis estar sozinho. Obrigado por agir com a sabedoria de um Pai que corrige seu filho em amor, permitindo que sofra, mas sempre próximo para evitar que a dor do sofrimento pudesse ser maior do que a certeza da Sua presença e cuidado estão sempre presentes.

sexta-feira, 24 de dezembro de 2010

Alma em reformulação

"E ali entrou numa caverna e passou ali a noite; e eis que a palavra do SENHOR veio a ele, e lhe disse: Que fazes aqui Elias?"
IRe 19:9

Quase todos nós já nos deparamos algum dia com algum site ou alguma loja em reforma, geralmente com os dizeres: "Desculpe-nos o transtorno, estamos em melhoria para melhor atendê-los" ou "Aguarde, estamos em reforma/reformulação e voltaremos em breve com grandes novidades".

Assim também me sinto ultimamente (os últimos Posts não negam). E estou precisando de colocar a minha alma em reformulação, reavaliar princípios e valores, preservar a fé e continuar firme na caminhada rumo ao destino que Ele traçou para mim.

Assim como com Elias que, mesmo depois de ser tremendamente usado por Deus, fugiu dos seus inimigos e desejou a morte para si, estava me sentindo e, como Elias, fugi em busca de uma paz impossível, que só me trouxe mais tormento até que Deus me perguntou: "Que fazes aqui?".

Ele me trouxe à memória coisas que eu mesmo havia escrito e me trouxeram um novo ânimo:





E me desafiou: Como pode você ter escrito isso e se sentir assim na sua vida? Volta ao Meu caminho e tudo que te aflige não passará de uma lembrança triste de um momento passado quando tentaste levar a sua vida com seus próprios braços.

Para encerrar, gostaria de citar o fim do Post "Perdão e Restauração", que me marcou profundamente para que eu pudesse promover a virada que minha vida precisa:

"Deus é misericordioso e compassivo, não nos trata conforme nossas imperfeições, mas nos ama acima da nossa capacidade não pecar. Ele nos conhece e deseja tirar de nós todo nosso potencial de santidade para andarmos com Ele e revelar o Seu Amor e Poder em nós e através de nós. Por isso nos desafia a cada instante a estarmos em comunhão com Ele e fugirmos de tudo que possa nos conduzir a pecarmos e a nos afastarmos dEle."

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Vida Verdadeira

Continuo sem inspiração, com mais afazeres do que tempo disponível para realizá-los, mas mesmo assim, Deus não se cala.


Hoje é dia do "fala, Senhor, eu estou precisando muito Te ouvir". Seguindo a mesma tática do último Post, o texto de hoje do Bíblia Legal é Lucas 17:26-36. O texto todo é comprido, mas a mensagem se resume no versículo 33 que a versão da Bíblia da Nova Tradução na Linguagem de Hoje traduz bem:


"A pessoa que procura os seus próprios interesses nunca terá a vida verdadeira; mas quem esquece a si mesmo terá a vida verdadeira."
Lc 17:33(NTLH)


Acho que, depois dessa, nem precisa falar muito. Mas vamos à uma pequena reflexão: O texto fala de interesses próprios e esquecer-se de si mesmo. Este texto tem um vínculo claro com Mateus 6:33(NTLH): "Portanto, ponham em primeiro lugar na sua vida o Reino de Deus e aquilo que Deus quer, e ele lhes dará todas essas coisas.".  Essas coisas ao que o texto se refere aqui, são as nossas preocupações do dia-a-dia: alimentação, vestes. etc.


Ambos os textos são palavras que Jesus disse quanto esteve aqui, e revelam uma característica importante da vida cristã: o desprendimento. Esse desprendimento deve se revelar em todos os sentidos: o de não querer ter coisas e no sentido de não se apegar aos bens que temos.


Essa questão de procurarmos nossos interesses em detrimento aos do Reino é uma questão que merece constante vigilância em nossas vidas porque, se formos analisar, veremos que essa é uma questão que vive pendendo de um lado para outro.


Normalmente quando nossos interesses atingem uma carga maior do que conseguimos suportar, lembramo-nos de que estamos levando nossos interesses mais em conta do que o Reino de Deus, a partir daí, então, nos arrependemos, pedimos perdão e começamos a olhar nossa vida pela ótica certa: de colocarmos o Reino de Deus em primeiro plano.


Mas o que será a vida verdadeira? A vida verdadeira é a recompensa por estarmos colocando os valores nos devidos lugares. A vida verdadeira é a vida que se vive com Deus. Imagine-se vivendo sem preocupar-se com o que te incomoda agora: Se vamos ter dinheiro para pagar a conta que está vencendo, se vamos conseguir aquela promoção que tanto buscamos ou se vamos realizar aquele sonho que tanto ansiamos. E mais do que isso, sem se importar com o resultado porque estamos certos de que Ele tem tudo sob controle.


É muito difícil viver assim, entregando tudo o que nos preocupa em definitivo nas mãos de Deus. Nosso senso de responsabilidade e justiça nos leva a buscarmos solucionar os problemas que enfrentamos ou nos leva a acreditar que, se nós não lutarmos pelos nossos sonhos, ninguém mais vai fazê-lo.


Mas, somos justificados pelo Sangue de Cristo, nossos erros são apagados pelo arrependimento e pelo perdão divino. Mesmo tendo que viver as consequências dos nossos erros, podemos estar tranquilos por passarmos por momentos ruins abrigados pela proteção divina contra qualquer malefício que tente nos derrubar.


O fato de precisarmos encarar as consequências dos nossos erros não pode nos levar a tomar de novo aquilo que deveria estar nas mãos dEle, mas deve servir de disciplina para sabermos descansar quanto ao que vivemos aqui e agir com entusiasmo em prol de Reino de Deus.